Archive for Janeiro, 2006

h1

Adivinha do dia? Tem coroa e não é rei, tem escam…

Janeiro 27, 2006

Adivinha do dia?

Tem coroa e não é rei, tem escamas e não é peixe. O que é?

h1

Contra factos não há argumentos? …os computador…

Janeiro 25, 2006
Contra factos não há argumentos?

…os computadores avariam-se, as relações acabam e as pessoas morrem.

Fiquei feliz por conseguir reproduzir a afirmação acima citada, ouvida num episódio de O Sexo e a Cidade. Nos últimos tempos a minha memória anda a funcionar como um computador avariado.
Só sei que nada sei, perante cenários gradualmente tão graves. Não posso é deixar de achar a progressão da frase genial… começa-se pelo computador e sua avaria passa-se a algo de muito maior: o fim de uma relação e termina-se com o fim da vida, pessoalmente fiquei agarrada à frase.
A força desta enumeração de situações plausíveis e até mesmo bastante frequentes nas nossas vidas não é de menosprezar. Qualquer destas circunstâncias vem interromper uma espécie de ordem estabelecida e pode provocar um caos.
Digam-me o que quiserem, do caos nasce a ordem, após a tempestade vem a bonança, que… e que… Certo é que o fim de algo, à partida construído com prazer, é duro de aceitar. Aceitamos o fim do dia… pois no dia seguinte outro dia renasce; aceitamos dormir, com a perspectiva de voltar a acordar. Mas lá que há situações e ausências difíceis de aceitar e superar há.
Não posso deixar de pensar na forma como reagimos perante a vida e suas situações, parece-me determinada pela força interior e a segurança sentidas (que ao longo dos anos não são sempre as mesmas), por sua vez condicionadas por inúmeros factores.
Podemos sempre parafrasear e dizer também: os computadores consertam-se ou substituem-se, as relações refazem-se e /ou constroem-se e as pessoas nascem. Ou apenas dizermos que tudo é relativo.
…Continuo a não saber como reage alguém que investiu todo seu trabalho num computador e vê este ficar inutilizado…
… ou se outro alguém relativizará uma avaria grave na sua máquina de lavar, no seu carro, no seu sei lá qualquer-coisa-que-tem-por-perto! Com sorte talvez pense: ora bolas este precalço é mau mas não é assim tão grave! Provavelmente sentir-se-á mesmo invadido por uma súbita empatia, ao saber que aconteceu a outros que não ele, achando tratar-se de uma situação reversível, banal e muito menos importante.
…Não sei, quem questionar uma relação, seja ela amorosa ou outra, partindo do princípio que não vive num morro isolado e tem uma vida afectiva, sexual, social activa tremerá… perante a possibilidade do fim da mesma? Se tremer de tristeza talvez se sinta muito mais perdido do que perante a avaria do seu computador, sentirá uma grande confusão… terá amigos para trocar umas ideias sobre o assunto… ou fechar-se-á em copas?
Quanto à perspectiva da morte… aceitar-se-á, talvez, como algo de inevitável. No entanto, o percurso a fazer, somente para aceitar, pode ser muito tortuoso. Aceita-se mais facilmente a vida.

Quem passa por uma ou várias destas situações… força para agarrar e aceitar a vida, boa enquanto durar; se o seu mundo for composto de mudança, já agora, que seja com um computador a funcionar melhor, numa relação feliz e com a vida recheada a gosto.
Não era nada disto que pretendia escrever, mas vou, já, já, no futuro mais próximo (dentro de cinco minutos) ler Sangue Romano, de Steven Saylor… cuja história decorre na antiga Roma e é uma história de mistério e suspense…
h1

Conhecem a frase: pior a emenda do que o soneto? D…

Janeiro 21, 2006

Conhecem a frase: pior a emenda do que o soneto? De uma vez por todas escreve-se Allende e eu escrevi Allend(r)e! Meu amigo Testo da panela as minhas desculpas…

h1

Neruda’s Wine Glass, pastel de Vivienne Flesher,…

Janeiro 19, 2006

Neruda’s Wine Glass, pastel de Vivienne Flesher, 1997 in Afrodite

Após ter perdido o trabalho feito nesta semana, ficando este reduzido a files ISO que ao abrir revelam muitos números e quadrados… resta-me o consolo de postar esta foto, deste maravilhoso livro da Isabel Allendre.

Que o espírito do livro anime esta quinta-feira!

h1

Não sei quais são as palavras a que recorrem quand…

Janeiro 18, 2006

Não sei quais são as palavras a que recorrem quando estão pelos cabelos. Mas sei quais são as que uso.

Entre as mais comedidas encontra-se a palavra batatas. Não é por detestar a dita cuja, muito pelo contrário, fritas, em puré, assadas, elas são óptimas. Talvez por isso, algo de tão banal (actualmente), um acompanhamento, faz-me imensa companhia… quando em desespero de causa me sinto impotente, nas mais diversas situações.
Passo a explicar, quando estão num impasse e não querem usar palavras agressivas?

− Batatas!
Perante uma evidência que não quer ser reconhecida pelo seu interlocutor?
− Batatas!
Quando lhe dizem, nem sim nem não?
− Batatas!
Após uma longa discussão em que ninguém chega a consenso?
− Batatas!
Quando fica horas extremamente preocupado/a com alguém que depois fresca/o e leve lhe aparece, como se estivéssemos no El Dorado e nos chamássemos Candide?
− Batatas!
Sem ofensa para o tubérculo, muito amado, e que até pode ser doce, como a gigante da foto, antes e depois.
Batatas para esta dor de cabeça que teima em fazer-me companhia!
h1

Não vão acreditar, há uns tempos resolvi criar um…

Janeiro 18, 2006

Não vão acreditar, há uns tempos resolvi criar um blog que falasse exclusivamente de alimentos e outros quejandos ligados à alimentação. Depois de aturado pensar, com a preciosa ajuda, no aspecto gráfico do Dr. Bunsen, que desenhou um copo de vinho e me mostrou como era possível criar um novo blog, este esteve no ar… esteve tanto no ar que se evaporou… Sim. Carreguei no botão que destrói o blog se quisermos. Rápida forma de acabar com o que lentamente se criou. Eis algo bem diferente do que sucede na vida real (será assim…ou não?), até com o que não criámos, pois a obra às vezes ultrapassa a ciência do seu criador. Mas foi o que fiz, hesitando, com pena de ver partir aquele blog amigo, meu canto secreto.
Porém, o Fora das Mãos dizia-me que tinha muito espaço para preencher e voltei.
Dizem que não há amor como o primeiro… não me parece, quando há amor há, verdade la Palisse! E ama-se, gosta-se de variadíssimas formas. Há objectos que despertam os sentidos e há alimentos que quando ingeridos, oh, oh, nem digo nada. Agora tenho na minha posse material altamente comestível. Tenho que confessar, verdade mesmo… quando parti aquela abóbora (ver fotos, com e sem flash) as surpresas sucederam-se. Não terá sido amor, mas lá que despertou os sentidos despertou, uma deliciosa abóbora, com uma cor fenomenal, um cheiro e um aspecto de ficar sem palavras. Uma aveludada abóbora que não era menina, que em carruagem se não transformou… e que era maior do que a minha imaginação poderia pensar!
E palavra… o seu interior sugere-me a forma de um coração, de um recanto muito tempo secreto e preservado de olhares indiscretos.
h1

Il ne suffit pas de lever les mains. Ni de les ab…

Janeiro 16, 2006


Il ne suffit pas de lever les mains.
Ni de les abaisser
ou de dissimuler ces deux gestes
sous les embarras intermédiaires.

Aucun geste n’est suffisant,
même s’il s’immobilise comme un défi.

Reste une seule solution possible:
ouvrir les mains
comme si elles étaient des feuilles.

Roberto Juarroz, in Onzième Poésie Verticale, trad. Fernand Verhesen

Olá, nos últimos tempos as mãos andaram perto do computador, rasgando papéis. Mas há postais que se voltam a ler com agrado. Assim foi com o que continha o poema que transcrevo. Gosto dele, não é somente por falar de mãos, mas porque no seu caminhar o poeta reune as mãos e as folhas, sendo as mãos que imitam as folhas, ao ficarem abertas.
Daí a lembrar outras semelhanças entre seres humanos e outros seres vivos foi um passo, por isso a foto da árvore, que me faz pensar numa orelha, num pulmão, num coração… quem se assemelha a quem, não interessa. Importa reencontrarmos algo que nos aproxima dos outros.. e de nós.