Archive for Fevereiro, 2007

h1

Gosta do quê?

Fevereiro 24, 2007

Alguns gostos…

Gosto de cinema, de música, de fotografia, de livros, de muitos livros.ler. Gosto de pessoas, muitas pessoas.gosto. Gosto de gostar. Gosto de mar, gosto de ar, gosto da vida, gosto de ti, gosto de mim, com menos algumas coisas e mais outras. Não gosto de mais ou menos, de hesitar, de cair e de magoar. Mas acontece. Ah… e gosto de escrever, disparates, coisas sérias, histórias vividas, imaginadas. Gosto de contos, gosto de poesia, gosto de alimentos, de gastronomia, de rir. Gosto muito de rir. Gosto de ouvir os meus amigos, gosto de azucrinar-lhes os ouvidos com milhares de disparates. Não gosto de ter medo, nem de café sem açucar. E mais não escrevo…agora

h1

O regresso da abóbora

Fevereiro 11, 2007

deve transformar-se em doce,
para que tal suceda é necessário encontrar tempo
e limão para juntar ao açucar…

h1

Como gosta do café? Descafeínado e com muita luz!

Fevereiro 11, 2007

Está um dia estranho, fechado, enevoado, com muito pouca luz. Apetece fugir para um país onde haja sol.

Tenho andado longe deste blog e de muitas outras coisas.
Não há tempo, perante a tonelada de trabalho que tenho para fazer, nem há tempo devido ao desânimo que este mês trouxe, ligado ao verbo perder.

Ontem recuperei o telemóvel 93, que tinha deixado cair ao sair do carro, perto de casa. Foi encontrado por um vizinho que conseguiu contactar-me… Fez-me acreditar que ainda há gente honesta pois o dito perdido regressou às minhas mãos.

Está um bom dia para tomar um café cibernético.

Uma das primeiras compras que fiz quando comecei a trabalhar foi uma máquina de café, não por ser uma consumidora implacável de café, mas por gostar do cheiro, da textura, e, sobretudo, de oferecer um café. Lembro-me de contos em que o café ocupa um papel de realce, outros tempos? – Outros textos.

Curiosamente, nos últimos dois anos namorei uma nova máquina de café, falei dos diferentes sabores, do café cremoso… mas existia a antiga máquina de café que funcionava… logo a compra de outra foi sucessivamente adiada.

Actualmente, graças a uma boa surpresa existem duas máquinas de café nesta casa e converti-me aos encantos da azul bébé.
Estou diante de tantas cores e sabores e decido-me pelo descafeinado, vermelho, senão vou passar a noite sem dormir.

Como cheguei aqui já não sei mas sei que vou partir, porque hoje é dia de referendo e eu vou votar, já, já, já.
Espero que haja muita gente a votar.

Voto sim.